TEATRO DAS BEIRAS E ORQUESTRA SINFONICA DA EPABI JUNTOS EM CASTELO BRANCO

Transcrevemos o que Fernando Paulouro Neves escreveu à cerca do espetáculo no seu blogue NOTICIAS DO BLOQUEIO:

SONHO NUMA NOITE DE VERÃO
Um espectáculo diferente aconteceu esta noite, em Castelo Branco. No auditório do "Monte do Índio", emoldurado por um agradável espaço verde, o Teatro das Beiras realizou uma das suas produções mais singulares, seguramente o espectáculo dos quarenta anos da Companhia profissional de teatro, sedeado na Covilhã, que tem sabido resistir a todos os cercos que neste país se fazem à persistência da acção cultural. À noite quente de domingo, somou-se o calor dos aplausos do público que quase enchia o vasto auditório, premiando a qualidade dos artistas e músicos que construíram aquele espectáculo diferente detidos os outros que foram "Farsas Per Música", de Carlo Goldoni, na encenação magnífica de Gil Salgueiro Nave, e na tradução de grande recorte literário de Luís Nogueira, amigo que este ano nos deixou, que amava o teatro com paixão, de que temos muita saudade.

Então, a singularidade desta "Farsas Per Música" foi a participação de uma especial orquestra sinfónica da EPABI, com jovens músicos daquela escola, dirigida pelo maestro Rogério Peixinho, que compôs o registo sinfónico para acompanhar o divertido teatro de Goldoni. E aquilo a que se assistiu foi a uma articulação perfeita entre a expressão musical e a expressão dramática. 
O colectivo de actores mostrou toda a sua mestria na composição dos personagens, assumindo as virtualidades da ironia que a narrativa implicava, através do gesto e do canto. Palmas para Sónia Botelho, Marco Ferreira, Adriana Pais, Pedro Damião e Silvano Magalhães. "Farsas Per Música" despediu-se neste espectáculo do público, depois de uma assinalável itinerância pelo país.
Está a fechar bem o Teatro das Beiras o ciclo dos 40 anos. É tempo dos responsáveis pela cultura, nas autarquias da região, a começar pela Covilhã, privilegiem os espectáculos que o Teatro das Beiras apresenta. Não fariam favor nenhum. Só ganhariam com isso.